24/01/2012

Filhos do Éden - Eduardo Spohr


Título: Herdeiros de Atlântida – Filhos do Éden - Livro 1
Autor: Eduardo Spohr
Editora: Verus
Sinopse: Há uma guerra no céu. O confronto civil entre o arcanjo Miguel e as tropas revolucionárias de seu irmão, Gabriel, devasta as sete camadas do paraíso. Com as legiões divididas, as fortalezas sitiadas, os generais estabeleceram um armistício na terra, uma trégua frágil e delicada, que pode desmoronar a qualquer instante. Enquanto os querubins se enfrentam num embate de sangue e espadas, dois anjos são enviados ao mundo físico com a tarefa de resgatar Kaira, uma capitã dos exércitos rebeldes, desaparecida enquanto investigava uma suposta violação do tratado. A missão revelará as tramas de uma conspiração milenar, um plano que, se concluído, reverterá o equilíbrio de forças no céu e ameaçará toda vida humana na terra. Ao lado de Denyel, um ex-espião em busca de anistia, os celestiais partirão em uma jornada através de cidades, selvas e mares, enfrentarão demônios e deuses, numa trilha que os levará às ruínas da maior nação terrena anterior ao dilúvio – o reino perdido de Atlântida.


Quem me acompanha do outro blog e no Twitter, sabe que eu sou muito fã do Eduardo Spohr. Nesta resenha, irei me referir ao Filhos do Éden como FdE e A Batalha do Apocalipse como ABdA.

Pois bem, sou suspeita de falar bem do Eduardo Spohr, e por ter amado A Batalha do Apocalipse. Mas, Filhos do Éden consegue ser igual, em qualidade, ou até melhor do que ABdA. E estou com muitas expectativas positivas para Anjos da Morte – o segundo volume dessa série – e acho que pode ser melhor que o primeiro.

A narrativa do livro não me surpreendeu, pois já sabia o que esperar de Spohr. A história em si, não é tão grandiosa, mas certos acontecimentos ao decorrer da leitura tornam a mesma gratificante. Em FdE, Spohr usou o mesmo esquema de narrativa linear, ou seja, intercalando o presente com o passado, acontecimentos atuais e flashbacks explicativos, como em ABdA. Porém, em FdE, a narrativa é feita em terceira pessoa em todo o livro, já em ABdA não. Além, de que em FdE, a história é, digamos, totalmente focada em eventos acontecidos na Haled (que é como os celestiais chamam a Terra, o mundo material), que é o contrário de ABdA, já que o mesmo foca mais em proporções angelicais, divinas. E por isso, em FdE, os personagens são milhões de vezes mais humanizados em relação aos seus hábitos, comportamentos, decisões, mas mesmo assim, ainda guardando características angelicais da sua casta.

Filhos do Éden não é apenas uma "expansão" de ABdA, só por se passar no mesmo universo. Óbvio que tem personagens novos, mas também possuiu novos lugares a se explorar, poderes novinhos em folha, ou pelo menos, novinhos para os leitores, habilidades nunca vistas em ABdA e tramas totalmente diferentes. E por ter tantas novas apresentações, torna-se um livro explicativo em várias partes, não mais que A Batalha do Apocalipse, mas ainda um pouco explicativo.

Mas, o mais interessante é ver que essas explicações são justificações para fatos que estão acontecendo ou que vão acontecer. E mesmo assim, e por ter mais de 60 capítulos, o livro é bem rápido de se ler, e não faltam o rebuliço e a ação em várias situações em que o próprio leitor não consegue adivinhar o que está por vir.

A dúvida do grande público que não leu A Batalha do Apocalipse é:

Quem não leu A Batalha do Apocalipse pode ler Filhos do Éden sem ficar se morrendo de medo de achar spoilers indesejados?

Acho que pode sim, mesmo que o universo seja igual, tudo acontece de modo diferente em ABdA. Você não vai achar trechos que expliquem coisas que aconteceram em ABdA enquanto lê FdE. Não. Sem falar que como são livros separados, você não precisa ler um para compreender o outro.

Uma coisa que eu admiro em Spohr, é o artifício que ele possui de mesclar a mitologia mundial, e de todas as eras, sem parecer preconceituoso de forma alguma e isso já vem de A Batalha do Apocalipse e tem seus resquícios em Filhos do Éden. Recomendo muito para quem queria ler, mas estava receoso do que iria encontrar.
Proxima Anterior Inicio

Um comentário:

  1. Oi, Hannah. Que bom que vc gostou do livro :-)

    Como vc bem observou, "Filhos do Éden" se passa no mesmo universo de "A Batalha do Apocalipse", mas tem uma premissa diferente. A história crescerá nos próximos volumes, sendo que "Herdeiros de Atlântida" é apenas uma introducão aos personagens que acompanharemos daqui para frente.

    Se vc quiser saber mais sobre os detalhes da construção do livro e do próximo, "Anjos da Morte", recomendo esse podcast: http://filosofianerd.blogspot.com/2011/11/desconstruindo-filhos-do-eden.html

    Bjos,
    Eduardo

    ResponderExcluir